Thayssa Roriz
Introdução Alimentar - Um guia definitivo

Introdução Alimentar: 6 coisas que toda família deveria saber

Vários fatores são determinantes quando o assunto é Introdução Alimentar, mas nem sempre a família está preparada para essa fase, por mais experiência que possam ter com outros filhos, cada bebê é único. Quer saber como agir na fase de Introdução Alimentar? Continue comigo que preparei um resumão com os pontos mais importantes de cada fase dessa etapa.

O que você vai ver aqui:

Antes de começar a Introdução Alimentar

A introdução alimentar é um período muito importante para o desenvolvimento do bebê de forma que os hábitos adquiridos nessa fase irão influenciar diretamente na saúde futura e principalmente, na relação dele com a comida.

A orientação mais valiosa para você que vai começar a introdução alimentar é: alinhe suas expectativas com a realidade. E pra isso, é preciso compreender que o bebê ainda não entende qual a real função dos alimentos e que ele ainda não precisa nutricionalmente da comida, nessa fase, já que o leite materno ou fórmula é a principal fonte de nutrientes.

Considera-se que a introdução alimentar vai até os dois anos de idade do bebê, fase também que o paladar e os hábitos alimentares estão mais suscetíveis a se estabelecerem.

Então essa fase é de apresentação dos alimentos para que o bebê crie sua relação com a comida. Por isso, não esperar que o bebê comece a comer logo nos primeiros contatos é muito importante para que você não se frustre.

Posso resumir essa fase em:

Crie um peixe fora d’água, mas não crie expectativas com a Introdução Alimentar!

Eu entendo como é grande a preocupação com a nutrição do bebê e quero te tranquilizar, mostrando que o leite materno (ou a fórmula em caso dos bebês que utilizam) é o principal alimento por até pelo menos 1 ano de vida.

Isso significa que é dele que vem toda a nutrição que o bebê precisa e por isso, a amamentação em livre demanda é importantíssima pelo menos até os 2 anos do bebê.

Quando começar a Introdução Alimentar

A Organização Mundial da Saúde e a Sociedade Brasileira de Pediatria recomendam que a introdução alimentar seja feita apenas a partir dos 6 meses de vida, já que por volta dessa idade o bebê já consegue mostrar alguns (ou todos) os sinais de que está pronto para iniciar com segurança essa nova fase, você pode conferir aqui os sinais de prontidão.

E para que seja segura e eficiente é preciso que o bebê seja saudável, esteja dentro do padrão de desenvolvimento esperado e demonstre os chamados sinais de prontidão (o que não necessariamente vá acontecer exatamente aos 6 meses, podendo ser mais tarde).

Para os bebês prematuros devemos considerar a idade corrigida associada aos sinais de prontidão para iniciar a Introdução Alimentar de forma segura.

Sinais de prontidão para começar a Introdução Alimentar

Os sinais de prontidão servem de guia para que os pais possam iniciar essa nova fase sem precipitações, já que após desenvolvidos o bebê tem menores riscos ao se alimentar, ainda que de forma passiva.

  1. Estar em amamentação exclusiva de leite materno ou fórmula até o 6° mês;
  2. Sentar sem apoio (ou com o mínimo apoio possível) e com controle total do pescoço e cabeça;
  3. Esticar os braços para alcançar objetos e conseguir levá-los até a boca;
  4. Demonstrar interesse pela comida dos pais;
  5. Reflexo de protrusão da língua diminuído
  6. Imitar o movimento de mastigação.

Caso você tenha dúvidas se o seu bebê apresenta corretamente todos os sinais de prontidão, veja aqui este vídeo.

Dicas que te ajudarão antes de começar a Introdução Alimentar

A introdução alimentar é uma super novidade para o bebê e para prepará-lo com calma para esse momento, você pode praticar alguns exercícios antes mesmo que ele complete a idade recomendada para comer sólidos (6 meses).

Os exercícios são apenas incentivos para que ele possa se desenvolver naturalmente. São eles:

  1. Oferecer objetos (como mordedor) para que o bebê estique os braços, pegue e leve à boca – recomendado a partir de 2 a 3 meses;
  2. Se o bebê ainda não senta sem apoio, você pode colocá-lo deitado de barriga para cima, segurar em suas mãos e punhos e puxar (deixar que ele faça força também) em sua direção até que ele se sente – recomendado a partir de 4 meses;
  3. Colocar o bebê na cadeira de alimentação junto à família durante as refeições, ajuda a criar um hábito e incluir o bebê nos momentos das refeições ou durante o preparo delas – recomendado a partir de 5 meses;
  4. Mostrar alimentos e falar sobre eles – recomendado a partir de 5 meses.

Como eu disse, sentar em família para comer é fundamental na Introdução Alimentar e para futuros hábitos alimentares saudáveis do pequeno.

Para que a Introdução alimentar seja uma fase leve e gere bons hábitos futuros, as refeições nunca devem ser moedas de troca ou recompensas, assim como não devem existir distrações (telas por exemplo) – tanto para bebês, crianças e adultos. É importante que o bebê preste atenção nos alimentos em suas texturas, sabores e cheiros e cores.

Como começar a Introdução Alimentar

Primeiro é preciso ver tudo com a ótica dos bebês, isso gera empatia e se torna mais fácil entender os “porquês”.

Os bebês em fase de introdução alimentar que seguem o esperado do seu desenvolvimento ainda estão aperfeiçoando a coordenação motora. Por isso, espere muita sujeira! 

Além disso, mais uma das maneiras de aprender é pegando os alimentos e objetos, levantando, passando de uma mão para a outra, passando no rosto e cabelo, jogando no chão, levando à boca, esmagando e por aí vai.

Quanto mais o bebê praticar, mais rápido ele irá aprender e também diminuir a sujeira!

No início é tudo uma grande e linda descoberta!

E por isto, o que você não deve esperar é que seu bebê coma alguma coisa logo no início.

Gerar expectativas que o bebê se alimente bastante, pode trazer uma enorme frustração, já que ele ainda não entende que comida é para encher a barriguinha.

O bebê irá tratar os alimentos no início como os brinquedos que são oferecidos a ele, e aos poucos descobrindo o sentido de se alimentar.

É importante destacar que cada bebê tem seu tempo de forma que alguns mostram interesse logo no início e outros demoram um pouco mais.

É importante destacar que cada bebê tem seu tempo de forma que alguns mostram interesse logo no início e outros demoram um pouco mais.

Algumas orientações para começar:

  1. Evite oferecer alimentos quando o bebê estiver com sono – ele não estará disposto a explorar naquele momento e a bagunça pode ser maior;
  2. Não ofereça os alimentos quando seu bebê estiver com fome – lembre-se que ele conhece apenas o leite como alimento – os bebês se interessam bem mais em explorar e experimentar os alimentos, quando já mamaram;
  3. Mantenha o foco em brincar e experimentar – essa é a maneira que ele irá descobrir como comer;
  4. Garanta a segurança do bebê – sentado e com o corpo ereto, para que ele saiba lidar com os reflexos de Gag e um possível engasgo;
  5. Evite distrações – TV, tablet e brinquedos não devem fazer parte das refeições;
  6. Tente se conter enquanto o bebê explora os alimentos – os “muito bens” podem atrapalhar, pois comer é natural;
  7. Respeite os sinais do bebê de que ele não quer mais explorar, ficar na cadeira ou comer.

O segredo é manter a calma, segurar a ansiedade em ajudar o bebê a comer. Essa ansiedade em ajudar o bebê a fazer o que ele consegue fazer (demorado e da maneira dele, mas consegue), atrapalha muito no processo de autoconfiança e autoestima.

Permitir e dar a oportunidade para que seu bebê coloque em prática todas as habilidades que ele vem adquirindo desde o nascimento é muito importante para a construção de um adulto confiante.

Outro segredo é ter em mente que seu bebê não passará fome ou estará com baixo consumo de nutrientes. Lembra que o leite (materno ou fórmula) é o principal alimento até 1 ano de vida, os alimentos após 6 meses são apenas complemento?

Quais alimentos e como oferecê-los na Introdução Alimentar?

Você pode começar a introdução alimentar oferecendo para seu bebê, qualquer alimento que venha da natureza, frutas, verduras e legumes são muito bem vindos nessa fase, o que importa é que esses alimentos precisam estar com corte e texturas adequados para o pequeno (confira aqui)

Quanto às refeições que você pode oferecer ao seu bebê na introdução alimentar, também não importa o número nem quais, desde que todas respeitem a rotina de atividades principais do bebê, como as sonecas e aleitamento.

No começo pode ser um pouco desafiador estabelecer uma rotina, principalmente por conta das sonecas que o bebê faz durante o dia, porém aos poucos a rotina vai sendo estabelecida.

Uma dica: não ofereça alimentos ao bebê quando ele estiver com sono ou com fome, pois nesse momento ele irá preferir o leite e o descanso.

Confira aqui como organizar uma rotina alimentar para seu bebê na introdução alimentar.

Bônus 1 – 5 principais dicas para você encarar a fase da Introdução Alimentar de forma mais leve e assertiva. Acompanhe:

  1. Tenha acompanhamento de uma nutricionista especializada para que possa te orientar de forma personalizada sobre a Introdução Alimentar que encaixe melhor para sua família;
  2. Inicie a Introdução Alimentar após seu bebê completar os 6 meses e apresentar os outros sinais de prontidão (confira aqui);
  3. O leite materno ou fórmula é o principal alimento (o que de fato vai nutrir o seu bebê) até por volta de 1 ano (o leite materno até pelo menos 2 anos) e vai ser um incrível aliado da Introdução Alimentar;
  4. O bebê não precisa comer no início já que ele nem entende o sentido disso ainda e esse não deve ser o principal objetivo da Introdução Alimentar, mas sim, o aprendizado;
  5. O Reflexo de Gag não é engasgo (confira aqui). Aliás, o bebê comer com autonomia (com as próprias mãos) e em pedaços não aumenta as chances de engasgo em relação a ser alimentado por um adulto e aos alimentos amassados;
  6. A Introdução Alimentar é como conhecer alguém, assim como um relacionamento que vai sendo construído aos poucos. Por isso, é importante que o bebê tenha oportunidades para entender, experimentar e assim, construir sua relação com os alimentos.

Bônus 2- Qual método utilizar na Introdução Alimentar?

A introdução alimentar é a fase mais importante da trajetória alimentar do seu bebê, pois é a partir dela que o seu pequeno irá começar a moldar seus hábitos alimentares e paladar, determinando assim, sua saúde futura.

Por isso, ter um método que te auxilia passo-a-passo de como fazer e como passar pelos desafios que irão aparecer ao longo dessa fase pode ajudar a tornar a Introdução Alimentar mais leve, segura e verdadeiramente saudável. Veja esse vídeo que eu fiz e te mostro qual método utilizar.

Ficou com dúvidas sobre a fase de introdução alimentar? Deixe nos comentários. Terei o imenso prazer em ajudar.

Thayssa Roriz - Introdução Alimentar e Nutrição Infantil

Thayssa Roriz

Formada em nutrição, mãe do Cadu e da Cora, apaixonada pelo poder da transformação de uma introdução alimentar bem conduzida.

Gostou? Ajude esse post a chegar a mais famílias.

Você também pode gostar.

Deixe seu comentário ou dúvida aqui.